Fundação Padre Anchieta

Imprensa

Contato alebarbosa@tvcultura.com.br
21/03/2017

TV Cultura estreia três novidades nesta terça-feira (21/3)

Novo Metrópolis, TERRADOIS e Máximo e Confúcio fazem parte da programação 2017 da emissora
20170324160706_terradois-jorge-forbes-e-maria-fernanda-c-ndido-foto-jair-magri.jpg
Foto Jair Magri
20170324160706_terradois-jorge-forbes-e-maria-fernanda-c-ndido-foto-jair-magri.jpg

Dando sequência às estreias da programação 2017, nesta terça-feira, dia 21 de março, a TV Cultura traz três novidades para sua grade: o TERRADOIS com Maria Fernanda Cândido e Jorge Forbes; a série Máximo e Confúcio, protagonizada por Ricardo Côrte Real; e o Metrópolis, que está de cara nova e passa a ser exibido em novo horário.


A partir das 22h15, logo após o Jornal da Cultura, entra no ar o Metrópolis, cheio de novidades e agora com cenário com obras de Alex Flemming, Marcello Nitsche e Nicolas Vlavianos.

O programa, apresentado por Adriana Couto e Cunha Jr,. será exibido de terça a sexta-feira, às 22h15. Já aos domingos, a atração ganha uma edição especial com uma hora de duração, a partir das 19h, com matérias especiais, artes visuais, teatro, cinema, shows, bandas tendências, gastronomia, arquitetura e dicas de especialistas. Há ainda entrevistas exclusivas e making of de séries de TV. Esses e muitos outros assuntos estarão em pauta no novo Metrópolis, que traz o sotaque de cada região.do Brasil e pautas internacionais.

Na estreia, no dia 21, o Metrópolis exibe uma matéria com o rapper Emicida na São Paulo Fashion Week. Fundador da marca Laboratório Fantasma, Emicida lançou nova coleção nas passarelas da SPFW. A atração ainda traz uma reportagem sobre gastronomia e cultura caipira. Direto do interior de São Paulo, mostra os chefs regionais reunidos num festival em Jaguariúna, com receitas antigas tradicionais caipiras ligadas à cultura do Estado, que quase já desapareceram e que agora são recuperadas e revistas pelos chefes, como a paella caipira. O programa também destaca o artista britânico Marcus Lyon, que durante seis meses percorreu 22 mil quilômetros por 25 cidades brasileiras em busca de retratar a identidade do país. O resultado dessa andança pode ser visto na mostra Somos Brasil, em cartaz no Centro Brasileiro Britânico.

Às 22h30, estreia a série TERRADOIS, com a atriz Maria Fernanda Cândido e o psicanalista Jorge Forbes. Responsável por promover o retorno da dramaturgia à emissora, a produção inédita une arte e teoria em uma linguagem nunca vista na televisão, descortinando não apenas o backstage do processo criativo do programa, como também a discussão de temas relacionados à pós-modernidade. A série tem direção de Mika Lins e Ricardo Elias.


O primeiro episódio, Sinfonia Sem Fim, traz no elenco os atores Daniel Farias, no papel de Tom, e Marat Descartes, como Bernardo, além de participações especiais de Luiz Araújo e Maria Fernanda Cândido. O episódio tem como tema a questão da morte e do anseio à posteridade em TERRADOIS. Nele, um compositor consagrado, autor de uma sinfonia lisérgica que vive recluso, mas possui milhões de seguidores nas redes sociais, ao saber que está condenado à morte, planeja eternizar-se na figura de um jovem músico. No entanto, a proposta não é bem recebida pelo jovem, o que coloca em dúvida sua ponte para a vida eterna.

Precursora na TV brasileira entre as sitcoms familiares, a série Papai Sabe Nada (1962-1966) ganha um spin-off na grade da TV Cultura pelas mãos da Moonshot Pictures, quase 50 anos após seu fim. Máximo & Confúcio, idealizada por Ricardo Côrte Real e Leonardo Cortez, aborda em 13 episódios o divertido e conturbado cotidiano de uma família de classe média em plena crise financeira, motivada pela falência da empresa que um dia prosperou a seu favor. O primeiro episódio da série inédita vai ao ar nesta terça-feira (21), às 23h30.

A trama começa a partir do declínio de Máximo Jacarandá (Ricardo Côrte Real), um empresário otimista e entusiasta de sua própria trajetória. De origem humilde, conseguiu abrir uma empresa de artigos infantis e construiu seu pequeno império. Mas a falta de habilidade com os negócios o leva à falência, forçando-o a recomeçar do zero. Para piorar, ele percebe que não pode contar com seu filho, Confúcio (Leonardo Cortez), que, no alto de seus 40 anos, age como um adolescente e tem como objetivo de vida se lançar como cantor de reggae.

A relação entre pai e filho, com direito a diálogos divertidos, é o mote desta história, movimentada por personagens tão irreverentes quanto os protagonistas, como a dona Biloca Jacarandá (Patrícia Gasppar), mulher de Máximo e mãe de Confúcio, uma perua que se vê obrigada a trabalhar pela primeira vez após o fim da empresa de seu marido.